Avançar para o conteúdo principal

Desafio 2014


Li algures no Facebook esta ideia e disse para mim própria: "S. e porque não?". 
Este desafio consiste em anotar todos aqueles momentos que nos fazem felizes e guardá-los numa caixinha ou frasquinho, para que no fim do ano reler esses breves momentos. 
Afinal, há momentos no nosso dia-a-dia em que nos sentimos felizes, um olhar, um sorriso, uma visita, entre outros, contudo não nos lembramos deles passado algum tempo.  

O que vos parece?

Eu já comecei ontem o meu: fui buscar a minha Branquita ao veterinário, depois de ter sido castrada. 




Comentários

  1. Conheci a ideia através da Natália do Estrelinha Só e pus logo em prática ... deve ser interessante no fim do ano!!!
    beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  2. É uma boa ideia mas não a conseguiria executar porque sei que me ia esquecer de apontar :)

    ResponderEliminar
  3. Gostei da ideia! Vou fazer isso também!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Porque o vosso comentário vale mil sorrisos!

Mensagens populares deste blogue

Novidade Fresquinha e um Bom Fim-de-semana!

E a novidade é que arranjei trabalho. Não o que queria, mas para já é melhor do que estar em casa.  Continua a ser em shopping, porém um pouquinho melhor de onde estava anteriormente. Ao menos tenho um fim-de-semana por mês, onde aquecer o almoço/jantar e sem horários estranhos de duas horas de pausa e mais de 10h enfiada no trabalho.
Agora é continuar a procurar algo ainda melhor e em Setembro regressar aos estudos.
Um bom fim-de-semana!

Boa semana #2

Semana de recomeçar os treinos, após meses parada e de ir visitar os pais à aldeia. Coisas simples, mas boas (provavelmente, depois de treinar não vou dizer isso)!
Uma feliz semana!

Desabafo #2

Em momentos de aflição, nós, humanos, temos a tendência de rezar a um Deus que nem sabemos se existe. Ou pelo menos, eu não sei se existe ou se acredito.
Também não quero ser hipócrita de me lembrar Dele, seja Ele quem for, em momentos de desespero ou porque preciso de algo.
Contudo, às vezes gostava de acreditar e a ajoelhar-me ao lado da cama e falar com Ele, mas não consigo. Acho que ainda me faz falta essa fé, que ainda aos 29 anos, luto por isso.
Enquanto isso, falo para o ar ou para o meu avô que acredito que esteja sempre presente, pelo menos no meu coração está, em busca de sábios conselhos ou apensas uma luz no fundo do túnel.
Não sei se resulta ou não, vou acreditar que sim, mesmo sem resultados iminentes, pois naqueles dias mais difíceis faz-me sentir ligeiramente melhor.