Avançar para o conteúdo principal

As perguntas das crianças


No outro dia, lá na loja, uma miúda na casa dos seus 8 anitos vira-se para o pai e pergunta-lhe:

"- Pai, és gay?"

O senhor fingiu que não ouviu e a rapariga voltou a insistir.
Eu cá achei melhor ir para outro lado, inventar trabalho para evitar mais constrangimento.

Comentários

  1. Antes essa que... " a minha mãe dá beijinhos no pipi do pai" - SIM, ISTO FOI VERÍDICO!

    ResponderEliminar
  2. Oh coitado, que embaraço. ahahah

    ResponderEliminar
  3. "Pai és gay?" é muito bom!ahah! As crianças são do piorio!

    ResponderEliminar
  4. Eish. Alguém vai ter de ir dar uma lição de vida quando chegar a casa ahahha

    ResponderEliminar
  5. As crianças têm um sexto sentido do caraças!... O pai era gay, for sure... eu também iria inventar trabalho para outro lado.

    E nenhum mal viria ao mundo, porque cada um é como é... mas os preceonceitos que todos nós temos, mesmo que não os admitindo, não nos deixam ver esta situação como algo que deveria ser banal.

    (Se o pai não seria gay afinal, era então um pai separado a passar o fim de semana de 15 em 15 dias com a filha que teve com a sua ex...)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Porque o vosso comentário vale mil sorrisos!

Mensagens populares deste blogue

Tempo

Temos pressa do tempo.
Pressa para ir aqui ou acolá.
Pressa para que chegue aquela hora ou aquele dia.
Pressa que o tempo nos cure.
Pressa de tudo e de nada que até nos esquecemos de saborear o que o tempo nos dá enquanto não se apressa.
Eu tenho pressa que o tempo passe, não sou diferente dos outros. E adorava saber ter calma e aproveitar os minutos lentos. Talvez um dia o venha a saber, quem sabe,
Sei que num coração partido, o tempo é o melhor amigo como também nos traz uma impaciência por ser demasiado lento.
Há dias melhores, há dias piores, mas os melhores são sempre aqueles que nos abstraímos do tempo e saboreamos o que a vida nos dá, mesmo sendo nas pequenas coisas.
Portanto, que 2017 me traga a sabedoria para apreciar o que o tempo demora a trazer, para no fim, dar-lhe valor.

E hoje...

...sorrio. Não porque estive contigo, mas porque já não quero estar contigo.
É o fechar de um ciclo.

Trabalhar num Call Center

Sempre disse que não queria trabalhar em Call Center. Nunca tinha trabalhado num, mas os testemunhos que chegavam até mim eram bastantes negativos. Contudo, tinha uma amiga que me "entusiasmou", que me disse que ali era diferente dos outros lados e eu lá decidi mandar o CV.
Fui seleccionada, comecei os dois meses de formação e de facto a coisa não pareceu ser assim tão má, nem mesmo no primeiro mês de trabalho. Porém, comecei a verificar que à medida que ia deixando de ser novata, as pressões iam aumentando. Ou era o tempo que demorava nas chamadas, não podemos alongar muito mais dos 5 minutos (e isto já na loucura), ou o tempo que tens de pausa. O horário também começou a ser desgastante, pois entrava as 16h e saía à 1h, basicamente deixei de ter vida própria. Até que no meio de Dezembro fui presenteada com uma bela otite, daquelas que já não me lembrava ter. Estive quase duas semanas em casa para a curar, ainda a meio da baixa tentei ir, mas apenas aguentei duas horas (q…